Blog Hoteis.com

Guia de viagem: Chapada Diamantina

Chapada Diamantina: natureza e muita beleza no coração da Bahia
Um dos lugares mais impressionantes do Brasil é, sem dúvida, a Chapada Diamantina. Não é à toa que o destino é um dos principais para o ecoturismo do país, sendo muito procurado por quem deseja desbravar paisagens belíssimas e ter um contato mais estreito com a natureza.

Localizada na região central do estado da Bahia, a Chapada Diamantina compreende uma área serrana de onde nasce boa parte das bacias dos rios Paraguaçu, Jacuípe e das Contas.

Por isso, sua fauna e flora são riquíssimas, sendo um convite para visitar a região. O Parque Nacional da Chapada Diamantina oferece atrações que testam os seus limites, espalhadas por várias cidades rústicas e charmosas que, ao final do século 19, foram destaque na região por concentrarem jazidas de diamantes.

Obviamente que o próprio Parque Nacional da Chapada Diamantina não poderia ficar de fora do nosso guia de viagem. O local foi criado em 1985 e apresenta 152 mil hectares, contemplando as cidades de Lençóis, Mucugê, Igatu e Palmeiras. Um dos atrativos é justamente a vegetação riquíssima, com a presença de campos rupestres, caatinga, matas no entorno dos rios e capões de mata. Em um cenário árido, cactos, umbuzeiros e palmeiras surgem em meio à vegetação. As principais atrações da Chapada Diamantina estão dentro do próprio parque.

Para aproveitar ao máximo a sua viagem, separamos abaixo algumas dicas do que fazer na Chapada Diamantina e de quais passeios são imperdíveis no destino. Embora algumas atrações exijam a presença de monitores, a maioria deles pode ser realizado sem a contratação de um guia.

Não deixe de reservar aqui o seu hotel, pagando parcelado em até 12 vezes sem juros e sem IOF.

O que fazer e pontos turísticos da Chapada Diamantina
A cachoeira da Fumaça é um dos pontos turísticos mais visitado da região. Ela conta com uma queda d´água de 360 metros de altura, sendo a segunda mais alta do Brasil. O visual aqui é incrível, uma vez que a maneira mais fácil para vislumbrar a enorme queda d´água é observando-a de cima. Ou seja, na beira do precipício. Para chegar até o alto, o visitante deve caminhar cerca de duas horas ou 6 km.

Principal cartão-postal do destino, o Morro do Pai Inácio possui 1200 metros de altitude e fica em Lençóis, principal cidade para ter acesso à Chapada Diamantina. Para chegar até o topo e contemplar uma vista belíssima de toda a região, são cerca de 20 minutos. É interessante deixar a subida para o final da tarde pois, assim, você poderá contemplar o incrível pôr do sol sob os morros. Mas lembre-se que o último acesso até a área é as 17 horas.

Famosa por suas belezas, a cachoeira do Buracão fica em um cânion emoldurado por pedras com folhas. Para visualizar os 85 metros de altura da queda, o turista terá que fazer uma trilha à margem do rio Manso, passando pela piscina de Buracãozinho e pelas cachoeiras das Orquídeas e do Recanto Verde. O trajeto costuma durar cerca de uma hora. Após chegar a um cânion de 3 metros de largura, o turista deverá colocar um colete salva-vidas e nadar ou atravessar uma pinguela entre os paredões e caminhar agarrando as pedras. Não deixe de levar a sua máquina fotográfica. Você ficará encantado com as belezas do lugar e irá desejar registrar tudo em seu cartão de memórias.

Essa cachoeira fica na cidade de Ibicoara.

A gruta Torrinha é, sem exageros, uma das belas do país. Teste o seu preparo físico enquanto se espreme pelos blocos das rochas e engatinha até os salões com helictites, flores de aragonita e aos 60 metros de estalactites. Para chegar até a gruta, assim como no passeio anterior, você não vai precisar do auxílio de um guia. Porém, para percorrer os três trechos do local você necessitará do suporte de um monitor.

Também em Lençóis, a gruta Lapa Doce faz parte de um complexo de cavernas calcárias e conta com um paredão de 72 metros de altura. Diferente da maioria das grutas encontradas em território brasileiro, o lugar é praticamente plano, amplo e arejado. É a terceira maior gruta do Brasil, com 20 km, sendo 850 metros abertos aos visitantes.

Para chegar até lá, é preciso encarar uma escalada íngreme. Você verá como vai valer todo o esforço quando vir as formações rochosas únicas.

Já a cachoeira da Pratinha engloba um rio com águas cristalinas e uma gruta. Aqui, o cenário deslumbrante convida a praticar atividades como tirolesa, pedalinho, caiaque e flutuação. Tudo em meio a um cenário deslumbrante. Fica a uma hora de Lençóis em uma propriedade particular, a fazenda Pratinha. Por isso, é preciso pagar para visitá-la.

Não deixe de visitar também o poço Azul, outro ponto turístico que oferece um cenário surreal, sendo o local perfeito para o nado e a flutuação. O azul aqui mescla o azul das águas com o reflexo da luz do sol e é tão vivo que logo se entende o porquê do nome. Está localizado na cidade de Nova Redenção e também é necessário pagar uma taxa para visitar o lugar.

O Poço Azul é o local perfeito para o nado e a flutuação na Chapada Diamantina

O poço Encantado não tem encantado apenas no nome. Descoberto nos anos 40, o lugar conta com 98 metros de comprimento e 49 de largura, oferecendo ao visitante águas cristalinas, em uma coloração de azul turquesa devido à presença do calcário pulverizado das rochas. A paisagem é ainda mais exuberante entre os meses de abril e setembro, quando há a incidência de luz refletida nas águas. A 150 km de Lençóis, a atração está situada em Itaetê. A descida até o poço não é muito fácil e exige a utilização de capacetes, além de muito cuidado para não escorregar nas pedras. Não precisamos nem mencionar que todo esse esforço vale a pena, né?!

Com águas avermelhadas do rio Mucugezinho, diz a lenda que o poço do Diabo tem águas nessa tonalidade devido à fúria sanguinária dos coronéis do garimpo, que jogariam ali os escravos fugitivos. Histórias populares à parte, o lugar é um excelente poço para nadar e mergulhar, com corredeiras que massageiam a pele. A trilha até o poço, que fica a 18 km de Lençóis, leva cerca de meia hora.

Como já se pode perceber, lugares com águas cristalinas não faltam na região da Chapada. A cidade de Lençóis ainda abriga a cachoeira do Sossego, com trilha de 7 km e toda percorrida à margem do rio Ribeirão. Outras cachoeiras que você pode visitar e que ficam próximas ao centro da cidade são Ribeirão do Meio, do Escorrega, Cachoeirinha e da Primavera, sendo estas últimas bem indicadas para famílias com crianças.

Amante de trilhas e de esportes radicais vão aprovar o passeio pelo Vale do Paty, na Serra do Sincorá. O percurso é considerado um dos mais difíceis, mas também é um dos mais famosos da região. O aventureiro começa o seu trajeto pelo Vale do Capão. Há trilhas mais tranquilas que vão de Igatu a Andaraí, que levam cerca de cinco horas, contemplando o rio Xique-Xique, ou de Lençóis até o Capão, contornando os pés do Morrão.

Um pouco além das belezas naturais, visite ainda o Centro Histórico de Lençóis, com suas casas restauradas do início século 21, em estilo colonial e que guardam lampiões na fachada. As ruas são de pedra e carregadas de tranquilidade, dando a sensação de que o tempo parou. Na Praça Otaviano Alves, conheça o casarão branco com leões nos pórticos e troféu no teto, que lembram o poder e a ostentação da riqueza de outros tempos.

Embora meio macabro, o Cemitério Bizantino é um lugar interessante para conhecer. No lugar, há jazigos brancos cravados em rochas que foram instalados desde 1855, período em que a mineração do diamante alcançava o ápice na região da Chapada Diamantina. À noite, ganha uma iluminação especial e uma cara ainda mais assustadora.

Melhor época para conhecer a Chapada Diamantina
O melhor período para uma visita até a região corresponde de abril a outubro, a época mais seca. Entretanto, há quem considere o mês de setembro como o melhor para visitar a Chapada Diamantina. De abril a setembro são meses ideais porque apresentam temperaturas noturnas e diurnas bastante equilibradas, com volume de água adequado nas cachoeiras e nos rios. Destaque para a cachoeira do Buracão, que costuma estar em plena atividade nesses meses.

O melhor período para conhecer a região corresponde de abril a outubro, a época mais seca

É preciso ressaltar ainda que cada período do ano tem suas belezas e particularidades. O inverno, por exemplo, tem temperaturas mais baixas durante a noite, mas apresenta dias com temperaturas bem mais agradáveis, sempre com sol. Se você é amante de festas juninas, no mês de junho as cidades de Lençóis, Vale do Capão e Mucugê ficam em polvorosa por conta das comemorações de São João. Por isso, esse mês acaba sendo muito procurado pelos turistas, sendo necessário reservar hospedagem com antecedência.

Os meses de fevereiro e março são os mais quentes e apresentam grande probabilidade do volume das cachoeiras ficar abaixo do esperado devido às secas. Já os meses de novembro a março são épocas de chuva, fato que eleva o volume das águas nos rios e cachoeiras da Chapada Diamantina.

Bora curtir essa aventura e visitar um dos lugares mais emblemáticos do turismo ecológico brasileiro?! Chame os seus amigos e embarque nessa viagem!

Equipe Hoteis.com

Adicionar Comentário

Hoteis.com em todo lugar!

Acompanhe o Hoteis.com em todas as redes sociais!

Tem um blog e quer fazer uma parceria com a hoteis.com? Escreva pra gente :-)
E-mail: hoteis.com@jeffreygroup.com